Parceiro TIBRATUGA
25 Março, 2019
Protegido: Meetups TIBRATUGA | Transmissão online
3 Maio, 2019
currículo para portugal

10 erros que podem te impedir de conseguir vir trabalhar em Portugal

Trabalhar em Portugal é a tua meta? O teu sonho? Já pesquisou o mercado, enviou currículos, mas ainda não conseguiu aquela proposta? Leia o artigo e tente perceber se não está a cometer alguns destes 10 “erros”.

01. Acreditar que o primeiro emprego em Portugal tem de ser o melhor!

É claro que todos nós trabalhamos para ter um bom emprego e melhorar a cada nova oportunidade, mas deixar passar oportunidades só porque elas não se enquadram em nossa lista de “empregos dos sonhos” pode ser o primeiro erro impeditivo. Portugal tem vivido um verdadeiro boom de contratações para a área de tecnologia, o que infelizmente não quer dizer que serão oferecidos bons salários logo na sua primeira tentativa de vir trabalhar na terra de Camões. Abrir mão de alguns benefícios ou de um salário melhor, pode sim, ser a chave para ter um visto aprovado e alguma experiência para depois de um pequeno período de 01 ano por exemplo, começar a olhar para a “ grama do vizinho”, pois já estará com alguma experiência do mercado nacional, ou  se for o caso, mesmo em Portugal, alguma experiência para um cliente estrangeiro, para aí sim, já resolvidas as questões iniciais de legalização e adaptação da família, ir em busca de uma melhor oferta de trabalho em Portugal.

02. Esperar pela conclusão da faculdade, pós graduação ou mestrado para participar de processos de emprego em Portugal

A conclusão de uma graduação de  ensino superior ou de alguma especialização em sua área é sempre uma mais valia quando se trata de investimento e reconhecimento do mercado de trabalho em sua carreira, no entanto, aguardar que este processo chegue ao fim para aí sim começar a procurar e prospectar o currículo para oportunidades de trabalho em Portugal, pode ser um erro que está impedindo o sonho de trabalhar no exterior.
Além do fato de poder concluir os estudos na Europa, através de uma simples transferência de instituição, devido a alta demanda por profissionais de diversas áreas, em Portugal, para uma massiva quantidade de ofertas de emprego, e muitas inclusive mesmo no “job description” onde solicitam uma graduação completa, é possível concorrer a oportunidade, desde que a experiência demonstrada seja suficiente para “transpassar” esse item. Os brasileiros que atuam na área de tecnologia, na sua grande maioria tem de estudar e trabalhar, ou estudar para conseguir o famoso “canudo”, para aí sim conseguirem uma promoção no trabalho, ou estarem mais bem colocados no plano de carreira da empresa onde trabalhar. O fato consumado é de que já desenvolvem grande experiência técnica no mercado antes mesmo de terminarem as graduações ou mesmo as ditas especializações. Portanto, se este é o seu caso, se já tens experiência de mercado ao seu favor, não espere a graduação ou especialização para prospectar o teu currículo para oportunidades em Portugal.

03. Apresentar um currículo mal elaborado.

Um currículo mal elaborado enviado para uma empresa, é como sorrir para aquela gata com o dente sujo de feijão, ou com aquela desagradável sujeira no nariz hahahaha.
Em Portugal o formato Europass, ainda domina os modelos que são solicitados pelas empresas, por já estarem acostumados à sua leitura e formato de apresentação, mas não quer dizer que seja único e imprescindível.
O conteúdo é que vai ser determinante para um segundo passo, ou para que a empresa responda a este currículo para agendar a sonhada entrevista. Fazer uso de uma carta de apresentação também é um bom hábito para apresentar-se antes de exibir as aptidões técnicas do currículo, e apresentar as motivações e também as competências comportamentais pode ser fundamental consoante à oportunidade que está a concorrer.
A apresentação deve por si só seguir um tom minimalista, se optar por colocar uma foto, que seja, na carta de apresentação, e que seja uma foto clara, limpa, sem adereços e por favor, não usem de fotos no formato de “selfies”.

Se tem dificuldades neste importante item, clique aqui e conheça o nosso serviço de avaliação de currículos, certamente poderemos ajudar a dar um “UP” no seu currículo.

04. Enviar o mesmo currículo para todas as oportunidades em que pode o teu perfil pode ser aplicado.

Este é um erro clássico, principalmente por ser o perfil técnico dos profissionais de tecnologia brasileiros um perfil mais generalista. Muitas recrutadoras(novas inclusive, com pouca experiência) não conseguem entender e ou filtrar somente a experiência que lhes servem como “match”, e já no primeiro contacto descartam o currículo por entenderem que o candidato poderá não ser motivado já que tem tanta experiência para a oportunidade que está a se candidatar.
Enviar o mesmo currículo para todas as oportunidades para ver “em qual cola” é como ir com o mesmo uniforme para as diversas reuniões e atividades no trabalho, no bar, levar e buscar as crianças na escola, ir comemorar o aniversário de casamento, ir na igreja, etc. Ou seja, se tens diversas oportunidades onde pode ser bem visto, porque se limitar a apenas juntar tudo num currículo e disparar sem o mínimo de filtro? NÃO FAÇA ISSO.
Ao invés de ter somente um currículo genérico, invista tempo em ter vários currículos e diferentes cartas de apresentação consoante à oportunidade em que tens interesse. Crie um currículo personalizado para cada candidatura, de preferência com as palavras chave que se adequem à oferta de trabalho, temos visto que esta é uma das maneiras mais eficazes de passar no crivo de um processo de seleção. Para além disso, desenvolva uma estratégia de procura de emprego em Portugal, pesquise o mercado, pesquise a empresa em que gostaria de trabalhar, verifique se já existem brasileiros a trabalhar na mesma empresa, procure contacto com eles, se lhe permitirem procure saber como entraram e pergunte como funciona o programa de indicações interna(muitas empresas e consultorias em Portugal possuem programa interno de indicação de talentos). Todo este processo até se tornar maduro e eficaz pode levar um tempo, mas certamente valerá a pena!

05. Mentir sobre as competências técnicas ou comportamentais no currículo

Nunca minta ou deixe uma informação incoerente a seu respeito no currículo. Nunca. Ainda que consiga sustentar a mentira ou a informação incoerente na entrevista, quando chegar o momento de evidenciar o que está escrito, não será satisfatório para a empresa que está contratando descobrir tal fato depois de ter investido financeiramente e moralmente em você.

Se sabe, escreva que sabe, ou que tem tal aptidão, senão, Não.

06. Não se preparar para a entrevista

Seja presencial, telefone ou vídeo call, após todo o investimento no currículo e de ter chamado a atenção dos recrutadores, agora é a hora de carimbar com chave de ouro o que a empresa espera da pessoa responsável pelo currículo. Querem saber quem está por trás do maravilhoso currículo, então neste momento “tens a faca e o queijo na mão”.
Portanto comece pelo básico:
– Estude a empresa, a cultura, as práticas, e sobretudo a as especificidades da oportunidade em questão.
Pode não parecer, mas muitos se quer fazem o “dever de casa” antes de uma entrevista, e já por aí não avançam.
Depois de fazer o dever de casa, agora é a hora para se vender, é o momento de convencer que é a pessoa certa para a oportunidade, que é merecedor(a) do investimento da empresa, e para tal faça exercícios de simulação de entrevista em casa, prepare um discurso arrumado, as roupas, a apresentação pessoal,  treine a postura, as respostas, o idioma. Se a entrevista não for presencial prepara o ambiente, silencioso, e sem interferências sonoras ou visuais.
Temos histórias de alguns membros do grupo que não conseguiam se vender em entrevistas, e precisaram passar algumas sessões de Coaching para que pudéssem “virar” na entrevista. Se esse é  seu caso, clique aqui e acesse o nosso serviço de assessoria de carreira e se capacite melhor para as entrevistas.

07. Não desista, afinal, somos brasileiros, não desistimos nunca!

Mesmo depois de ter seguido todos os 06 passos acima  e acertado o que estava errado, o outro lado(recrutador/empresa) pode não fazer uma leitura clara daquilo que foi demonstrado, neste caso, não se intimide, não desista, tente perceber o que pode melhorar, tente contacto com outro recrutador(a), ou mesmo com outra empresa. Muitas empresas de Portugal não entendem por exemplo porque um candidato (que é contratado como PJ) mudou de emprego tantas vezes (quando na verdade, é o projeto que acaba), se este é o caso, deixe clara a forma de contratação e o “modus operandi”. Ou se é contratado através de uma empresa de outsourcing, naturalmente terá bastantes projetos curtos, etc. Tente ser claro para não transparecer um sinal de instabilidade e até falta de maturidade profissional.

08. Ter receio de assumir riscos e desafios

Trabalhar presencialmente em outro país é um restart, um recomeço, uma nova oportunidade, uma folha em branco. Muitos receios e desafios estão implícitos nesta nova fase. Medos e incertezas não podem ou devem ser motivos para não avançar na nova empreitada, afinal “quem arrisca não petisca” não é? Se já presta serviços remotos no Brasil para outras empresas estrangeiras, ou se já tem expertise suficiente para encarar o próprio negócio, porque não fazer isso cá em terras lusitánas?
Se não presta serviços remotos para outros países a partir do Brasil, mas tens experiência e capacidade para gerir ou abrir um negócio próprio, eis a boa notícia: Portugal é um excelente país para empreender, existem muitos incentivos para startups. Conheça o nosso serviço de apoio ao empreendedorismo e venha empreender em Portugal.

09. Ignorar a importância do profissionalismo e o contexto cultural

Ter uma postura profissional e reconhecer as diferenças entre o os países é fundamental para obter êxito e avançar em um processo seletivo ou de negócio. Quanto mais cedo assimilar e replicar as boas práticas, maior será a possibilidade de sucesso. Procure conhecer as práticas e a cultura da empresa em matéria de comunicação interna e externa. Procure saber quais os valores médios pagos para o cargo em que está se candidatando ou o valor do produto/serviço que está tentando vender. No momento da entrevista é a hora de perguntar tudo que lhe parecer direito, é a hora de esclarecer todos os pontos, aproveite este momento até mesmo para estudar a empresa através do recrutador(a). Por melhores que sejam as suas competências técnicas, estar informado sobre o contexto cultural é tão importante quanto.

10. Não abuse da informalidade

Somos conhecidos como um povo festivo, alegre, descontraído, mas deixe para demonstrar este lado do teu perfil, somente nas festas da empresa(e com muita moderação). Em Portugal há muitas empresas com uma cultura mais rígida e formal e outras onde reina a informalidade. Mas mesmo nessas, não abuse da informalidade, não ria demais, não fale alto, procure chamar o recrutador sempre pelo nome. Procure praticar um discurso formal, com um bom vocabulário, não fale demais ou seja displicente contando piadinhas na hora da entrevista ou do contato como cliente/fornecedor. Seja formal mesmo que o outro lado não o seja. Siga por este caminho.

 

Bem pessoal, estas são apenas algumas orientações que compilamos nestes quase 04 anos (desde outubro de 2015) de grupo TIBRATUGA, esperamos que possam ser úteis na sua busca de vir para Portugal para trabalhar. Caso tenha alguma outra dica que possa ser útil e possamos atualizar este artigo, escreva nos comentários ou envie um email pra nós geral@tibratuga.com .

4 Comentários

  1. Lídiane diz:

    Estava realmente precisando ler sobre esse assunto.Obrigada pelas dicas.

  2. Paulo de Almeida diz:

    Muito boa a sua matéria, vocês estão de parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *